músicas mais tocadas no Brasil

5 músicas mais tocadas no Brasil

on 13/08/2018

músicas mais tocadas no BrasilOlá, pessoal. Meu nome é Ana Paula Gabatteli e sou professora de português para estrangeiros. Hoje vou falar sobre 5 músicas mais tocadas aqui no Brasil até o momento.

O Brasil é conhecido pelo seu vasto território e pela diversidade de culturas, credos e sotaques. Na música, os brasleiros também mostram seu lado multicultural e agregador. É mais comum do que se imagina encontrar na playlist dos brasileiros músicas de grandes sambistas intercaladas com rock e música erudita.

Fizemos um lista de 5 musicas mais tocadas no Brasil (segundo o site Mais Tocadas – https://maistocadas.mus.br/musicas-mais-tocadas/), aproveitem para escutar e aprofundar seu entendimento de expressões da língua portuguesa e da cultura brasileira.

“Ainda não me chame de meu nêgo, ainda não me chame de bebê”

Apelido carinhoso é o nome desse sucesso que escutamos pelas ruas e bares. O mineiro, Gusttavo Lima, há anos embala as festas do brasileiro com grandes sucessos da música sertaneja. A música traz um apelo intenso (como nós) para seu novo amor, que espere o coração dele se curar do passado. As expressões “Meu Nêgo” e “Bebê” são utilizadas entre casais, independente da raça/ etnia,  no Brasil.

https://maistocadas.mus.br/apelido-carinhoso-gusttavo-lima/

“Vou beijando esse copo, abraçando as garrafas/Solidão é companheira nesse risca faca/Enquanto cê não volta, eu tô largado às traças”

Largado às traças da dupla Zé Neto e Cristiano, merecia um artigo próprio para a análise, devido à intensidade da letra e à quantidade de expressões idiomáticas. Estar largado às traças significa ser abandonado, estar sozinho e geralmente sofrendo. No imaginário do brasileiro, a cura da dor de amor pode ser a bebida alcoólica. O eu-lírico está levando esse imaginário bem a sério, ao ponto de abraçar as garrafas.

 https://maistocadas.mus.br/largado-as-tracas-ze-neto-e-cristiano/

 “Paga de solteiro feliz, mas quando chega em casa, chora”

As baianas Simone e Simária, são ícones da música sertaneja. As letras de suas músicas são de empoderamento feminino, dando voz à realidade da mulher. Paga de solteiro feliz é um grande sucesso e fala sobre a mulher que terminou o relacionamento e o ex finge que está feliz, bebendo na balada (veja a alegria e a tristeza tem relação com o álcool). A expressão “pagar de” significa “fingir ser”, ou seja, ele está fingindo estar bem com o término, só que não.

https://maistocadas.mus.br/paga-de-solteiro-feliz-ft-alok-simone-e-simaria/

 “Dona Maria, deixa eu namorar a sua filha, vai me desculpando a ousadia”

Dona Maria, é um apelo de Thiago Brava a sua futura sogra. A música foi gravada com a participação da dupla Jorge e Matheus, grandes nomes da música sertaneja. Com uma batida que mistura o sertanejo com outros ritmos, a música tem uma letra leve e romântica. Dona é uma variação de Senhora, como o apaixonado tem dúvidas sobre a aceitação ou não do romance trata a futura sogra de forma respeitosa mas informal.

https://maistocadas.mus.br/dona-maria-part-jorge-thiago-brava/

“Para me esquecer vai precisar de um transaplante”

A rainha Marília Mendonça, como muitos a chamam por sua posição e suas letras de empoderamento feminino, emplacou mais um sucesso juntamente com a dupla Bruno e Marrone. Narra o fim pesaroso de um relacionamento, enumera coisas comuns como dividir o ultimo pedaço de bolo/pizza/torta e o outro lado do fone de ouvido. Intensa, como boa brasileira, afirma que para o amado esquecê-la vai precisar de um trasplante.

https://maistocadas.mus.br/transplante-part-bruno-marrone-marilia-mendonca/


Ficou claro que o sertanejo bomba no Brasil, não há quem não se identifique. É muito amor, é muita paixão correspondida ou não correspondida, é beber para comemorar e é beber para esquecer!

Conhecer as músicas mais tocadas e suas letras é uma forma eficiente de entender o pensamento dos brasileiros e melhorar sua fluência, não acha?

Um abraço,

Professora Ana Paula Gabatteli

cursovilabrasil5 músicas mais tocadas no Brasil

Join the conversation